Logotipo SEEB/MR
Logotipo SEEB/MR

Contra a Reforma Trabalhista, Trabalhadores Pressionam Senadores

Publicado em
Contra a Reforma Trabalhista, Trabalhadores Pressionam Senadores

Governo e Senadores aliados querem passar por cima das leis trabalhistas (CLT) e tirar todos os direitos da classe trabalhadora!

Reaja! 


Não permita que o governo destrua seus direitos!
http://bit.ly/2s2AGLU

 

A aprovação da Terceirização, juntamente com a Reforma Trabalhista que os aliados de Temer querem aprovar, são um verdadeiro massacre contra os trabalhadores e trabalhadoras. Olha só o que está acontecendo:

Antes

Intervalo para repouso e alimentação de no mínimo 1 (uma) hora.

Depois

Intervalo para repouso e alimentação poderá ser de 30 minutos.

 

Antes

Salário inferior ao mínimo apenas para quem trabalha até 25 horas por semana.

Depois

Salário inferior ao mínimo para quem trabalha até 30 horas por semana.

  

Antes

Férias anuais concedidas normalmente em um só período de trinta dias.

Depois

Férias anuais em até três períodos, com remuneração também proporcional.

 

Antes

Trabalhador recebe salário pelas horas que passa em deslocamento para a empresa quando esta fica em local de difícil acesso.

Depois

Permite o fim do pagamento das horas gastas no transporte até a empresa.

 

Antes

Jornada de trabalho limitada a 8 horas diárias, 44 horas semanais e 220 horas mensais.

Depois

Jornada de trabalho diária e semanal sem qualquer limite.

 

Antes

Trabalho remoto segue as mesmas regras do realizado na empresa: salários, jornada, descanso etc.

Depois

Possibilita o trabalho remoto sem garantias.

 

Antes

Empresas com mais de 10 trabalhadores devem garantir o registro de ponto para evitar excesso de jornada e permitir a fiscalização pela Fiscalização do Trabalho.

Depois

Possibilita o fim do registro de ponto.

 

Antes

A anulação de cláusulas de negociações coletivas não pode prejudicar os trabalhadores pelas situações passadas.

Depois

A anulação de acordos e convenções gera prejuízo aos trabalhadores, que terão de pagar aos patrões os supostos benefícios recebidos.

 

Antes

Banco de horas de máximo 1 ano, com respeito aos limites de jornada (8h dia e 44h/semana).

Depois

Banco de horas pode durar indefinidamente e sem respeitar qualquer limite de jornada.

 

COMO PRESSIONAR:

PRESSIONE OS PARLAMENTARES DO SEU ESTADO para que eles votem CONTRA as reformas Trabalhista e da Previdência!

Ligue para eles, mande mensagens via redes sociais e e-mail, manifeste seu repúdio a este ataque contra os seus direitos!

Divulgue o “NA PRESSÃO” para seus amigos, familiares, parentes, vizinhos, colegas de trabalho para que também pressionem!

ASSINE NOSSA NEWSLETTER