Logotipo SEEB/MR
Logotipo SEEB/MR

Mais de 5 mil pessoas marcham na abertura do Forum Social das Resistências em Porto Alegre.

Publicado em
Mais de 5 mil pessoas marcham na abertura do Forum Social das Resistências em Porto Alegre.

Mais de cinco mil pessoas enfrentaram o forte calor da tarde desta terça-feira (17) e participaram da marcha de abertura do Fórum Social das Resistências, no centro de Porto Alegre. No trajeto do Largo Glênio Peres, onde ocorreu a concentração, até a esquina da Avenida Loureiro da Silva com a Rua José do Patrocínio, local em que aconteceu o ato de encerramento, ecoaram sobretudo os gritos de “Fora Temer” e “Fora Sartori”.

Com o mote “Por Democracia e Direitos dos Povos”, os manifestantes repudiavam o golpe e defenderam a democracia, denunciando as políticas neoliberais adotadas pelo presidente ilegítimo Michel Temer e pelo governador José Ivo Sartori, ambos do PMDB. Também condenaram a ascensão do conservadorismo em grande parte do mundo.

Ainda na concentração, o presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo, disse que os movimentos sociais estão lutando contra o golpe e contra os ataques aos direitos dos trabalhadores, como é o caso das reformas trabalhista e da Previdência.

O ex-ministro do Trabalho e Previdência Social, Miguel Rossetto, acompanhou a caminhada e garantiu que este “é um momento de reafirmar a resistência democrática e o respeito aos direitos sociais”.

Conforme Rossetto, no Brasil é fundamental derrotar o golpe, recuperar a democracia e o respeito ao voto popular. “É preciso convocar novas eleições e rediscutir o país”. Para ele, “é um momento de grande unidade dos movimentos sociais para derrotarmos a direita e para que possamos novamente reconstruir o nosso país”, acrescentou ele.

A detenção do coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), Guilherme Boulos, sob a acusação de desobediência civil durante uma ação reintegração conduzida pela Polícia Militar na ocupação Colonial, na zona leste de São Paulo, foi repudiada em diversos momentos da marcha.

O ato pela Democracia não foi realizado no Largo Zumbi dos Palmares. Grupos de Rap e Hip-Hop fizeram apresentações musicais, seguidas de manifestações da CUT e CTB em defesa das leis trabalhistas e da Previdência, evidenciando a importância da resistência.

Diretor executivo da CUT Nacional e integrante da Comissão Internacional do Fórum Social Mundial, Rogério Pantoja, parabenizou a realização da marcha. “É um momento de resistir e manifestar toda a nossa solidariedade aos que estão sofrendo repressão neste momento e que resistem de norte a sul do país contra a retirada de direitos”, disse ele.

Pantoja destacou o desmonte do estado, promovido pelo governador José Ivo Sartori. “Os gaúchos que resistem bravamente aos ataques do Sartori são  exemplo para todo o país”, frisou.

O presidente nacional da CTB, Adilson Araújo, acredita que “é necessário continuar nas ruas para denunciar esse golpe, que pretende acabar com nossos direitos. Querem a todo custo implementar as reformas que nos atacam e impor o negociado sobre legislado”, denunciou. Segundo Adilson, “o futuro será muito mais difícil se não disputarmos um projeto capaz de romper o neoliberalismo”.

Encerrando o ato e a marcha, o representante da ABONG e articulador do Fórum, Mauri Cruz, citou os principais eventos da programação e convidou a todos a se dirigirem para o Parque da Redenção, onde teve show com o rapper Moysés, integrante dos grupos A286 e Facção Central.

Fonte: CUT RS

 

ASSINE NOSSA NEWSLETTER