Logotipo SEEB/MR
Logotipo SEEB/MR

Sindicato convoca bancários para participar do Dia Nacional de Mobilização

Publicado em
Sindicato convoca bancários para participar do Dia Nacional de Mobilização

O Sindicato dos Bancários de Macaé e Região convoca as bancárias e os bancários de todo a região a participar do Dia Nacional de Mobilização contra a Reforma da Previdência, a Reforma Trabalhista, a Terceirização e por nenhum direito a menos, a ser realizada amanhã, sexta-feira (31).

O ato, convocado pela CUT e pelas demais centrais sindicais, pode ser considerado o primeiro "esquenta" rumo à construção nacional da Greve Geral.  A manifestações na base do Sindicato ficarão restritas a cidade de Macaé e terão paralisação parcial das agências.

Para Roberto Von der Osten, presidente da Contraf-CUT, os bancários e as bancárias já conhecem a ameaça que paira sobre os nossos empregos. “O Congresso Nacional debate um conjunto de ‘reformas’ que são verdadeiras demolições nos direitos trabalhistas e na nossa aposentadoria. Temos que cobrar nas ruas que os deputados e senadores votem contra essas barbaridades. É legitima defesa.”

Segundo o presidente da Contraf-CUT, nenhuma destas reformas foi apresentada pelos sindicatos de trabalhadores, pelo contrário, faz parte de um pacote de maldades patrocinado pelas elites empresariais e pelos banqueiros, remetido ao Congresso como a salvação do Brasil. “Na verdade, é uma clara indicação de quem os empresários acham que deverá pagar o pato. O descaramento é grande, a propaganda das reformas é mentirosa e as premissas para reduzir direitos são equivocadas. Terceirização e flexibilização não criam empregos nem retomam o desenvolvimento da economia, pelo contrário, exterminam os empregos diretos, reduzem salários e reduzem o poder de compra de toda a sociedade. Empobrecem o mercado interno e reduzem contribuições para a Previdência Social e FGTS. O Brasil perde.”

Estamos assistindo reformas unilaterais que interessam apenas ao atrasado empresariado brasileiro e que visam apenas aumentar lucros e concentrar renda. O discurso de que a CLT é velha e atrasada não cola mais. Querem retroceder os direitos dos trabalhadores aos anos 30, antes da promulgação da Consolidação das Leis Trabalhistas. Com a mesma CLT nos anos 2000 o país melhorou, novos empregos foram criados, o desemprego caiu drasticamente. Vivemos hoje uma incompetência de gerenciamento de crise econômica.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER